Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

Coala

Os coalas são mamíferos marsupiais que vivem na Austrália, tal como os cangurus.
São marsupiais porque as fêmeas destes animais têm uma bolsa na barriga chamada bolsa marsupial ou marsúpio.
Os coalas alimentam-se, principalmente, de folhas de eucalipto, por isso vivem em florestas destas árvores.


Também se alimentam de solo e da casca mais macia dos eucaliptos.
Sabias que, das 350 espécies de eucalipto que existem, os coalas só gostam de comer as folhas de 20?

E sabias que os coalas raramente bebem água?
Quando comem as folhas de eucalipto, os coalas estão também a absorver a água que elas contêm. E chega-lhes!
Foi por isso que os aborígenes australianos lhes deram o nome de coala, que significa "não bebe".

Os coalas parecem ursinhos de peluche, devido ao seu pêlo cinzento no dorso e branco na região ventral (a parte da barriga).
Têm uma cabeça arredondada, as orelhas grandes e felpudas e o nariz grande e preto.
Nas patas de trás, têm os dedos polegares afastados dos outros para conseguirem agarrar-se bem às árvores quando trepam.
Geralmente, os coalas vivem sozinhos. Só se juntam quando é para acasalar e, mesmo assim, por pouco tempo!
Os coalas machos atraem as fêmeas através do odor com que marcam as árvores e dos sons que fazem para as chamar.

A cria nasce 35 dias depois do acasalamento mas, ao contrário de outros animais, ainda não está pronta para sobreviver.
Quando a cria nasce, vai para a bolsa marsupial na barriga da mãe coala e aí fica a mamar durante 7 meses.
Depois, vai para o dorso da mãe e fica agarrada a ele até fazer um ano de idade.
Só nesta altura é que o bebé coala está pronto para enfrentar a
vida sozinho!

Os biólogos acham que os coalas já existem há mais de 15 milhões de anos mas só há pouco mais de 200 anos é que um europeu viu um coala pela primeira vez!


Pensa-se que, há milhares de anos atrás, já existiram coalas gigantes com mais do dobro do tamanho dos que hoje conhecemos.
Actualmente, não existem coalas gigantes mas há três subespécies diferentes de coala.


Consoante a região que habitam, estas subespécies diferem em peso, comprimento e espessura do pêlo.
Os maiores são os das regiões do sul da Austrália e chegam a medir 78 cm e a pesar 12 kg!


Apesar de já terem estado em vias de extinção, por causa dos incêndios, do abate dos eucaliptos de que se alimentam e da caça, hoje em dia os coalas são uma espécie protegida.


Sabias que um coala pode viver entre 13 e 18 anos?

 

publicado por Diana às 21:49
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Tucano

Origem

Esta ave tem origem nas florestas tropicais da América Central e do Sul, sobretudo na Amazónia.

No entanto, é possível encontrá-lo num vasto território, que vai até ao Norte da Argentina, até porque existem várias espécies desta ave ao longo desta área, e a todos se dão o correntemente o mesmo nome.

A ave
Belissima ave, com um bico único no mundo, grande e colorido, ganhou admiradores por todos os continentes.
Apesar de grande, forte e poderoso, o seu bico não é pesado, já que é formado por uma estrutura óssea alvéolar, que o torna leve, não tendo qualquer interferência no seu vôo.
O bico serve, sobretudo, para agarrar e descascar frutos que encontra nas árvores e que são a base da sua alimentação, e para agarrar pequenos répteis, que também gosta de comer.

Perigos
Começa a causar alguma preocupação entre os biólogos o facto de ter vindo a ser capturado para fins comerciais com muita intensidade, o que levou ao seu desaparecimento em algumas áreas.

Este comércio ilegal, provocou a morte de muitos exemplares jovens, durante o transporte para locais do mundo muito distantes, em condições muito precárias.
Apesar disso, presume-se estar longe da extinção.

O seu comprimento pode atingir os 65 cm, contando com o bico, que só por si chega a medir 20 cm.

Um Tucano pode viver cerca de 20 anos

publicado por Diana às 21:49
link do post | comentar | favorito
Domingo, 26 de Outubro de 2008

Girafa

  • A girafa é um animal que reconhecemos bem à distância por todas as suas características especiais, principalmente por ser grande em tudo!

  • Vive em África, na savana: um campo muito grande, raso e quente com ervas e árvores.

  • O pêlo da girafa é castanho-alaranjado com manchas. Sabias que essas manchas distinguem uns animais dos outros porque são sempre diferentes?
    A ponta das patas costuma ser branca ou muito clara.


  • Tem um par de corninhos pequeninos na cabeça que terminam com um penacho de pêlos. Como é feito de osso, nunca cai e por estar coberto de pêlos ajuda-a a defender-se do ataque de outras girafas, sem se magoarem.

  • Os machos lutam muito uns com os outros por causa das fêmeas e para proteger o seu espaço, mas raramente se magoam. Ficam lado a lado, a dar cabeçadas um no outro.

  • Sabias que a girafa é o animal mais alto do mundo, chegando a ter 6 metros?
    Imagina a altura de três homens e uma criança, todos em cima uns dos outros!

  • Por ser tão alta, ela também é muito pesada. Pesa quase 1000 quilos, mais do que um automóvel!

  • Consegue correr muito depressa, ouve e vê muito bem, o que dificulta o ataque dos predadores, os animais que a querem caçar.
  • A girafa alimenta-se de folhas de árvores, e é por isso que tem o pescoço tão comprido: para lhes chegar facilmente.

  • Quando tem de beber água, precisa de afastar as patas da frente para conseguir descer com a boca até ao nível do chão.
    Nestas alturas os leões podem atacá-las e elas não se conseguem defender por estarem numa posição tão complicada.

  • Por isso raramente se baixam e são capazes de passar muitos dias sem beber água.

  • Vivem em manadas, isto é, em grupos. A manada tem um chefe, um macho. Mas sabias que quando vão para outros sítios é a fêmea que os conduz a todos?


  • Quando uma mãe girafa vai ter um bebé tem que esperar 450 dias, ou seja, 15 meses. É mais do que um ano! Normalmente, só tem um filhote de cada vez. A cria nasce já com dois metros, é mais alta do que um homem, e começa logo a andar.

  • Caso o filhote seja atacado, a mãe girafa defende-o logo dando um pontapé com toda a força com as suas pernas grandes e fortes
    Até o leão tem medo dela!
  • Antigamente pensava-se que as girafas não faziam nenhum barulho especial, mas agora sabe-se que fazem uns gemidos e bufam baixinho.

  • Sabias que a girafa dorme de pé?
    Só quando se sente completamente segura é que se deita no chão para descansar. Passa o dia calmamente à sombra das árvores e à noite, quando está mais fresco, sai para se alimentar.

  • Quando estão apaixonadas, as girafas esfregam os seus grandes pescoços umas nas outras em sinal de carinho.

  • Sabias que a sua língua é de cor roxa e muito comprida? E que a girafa consegue limpar as orelhas com ela?
publicado por Diana às 18:16
link do post | comentar | favorito
Sábado, 25 de Outubro de 2008

Urso Pardo

Nome popular: Urso Pardo
Nome Científico: Ursus arctos
Distribuição geográfica: América do Norte, Ásia e Europa.
Habitat natural: São encontrados desde florestas densas a pradarias subalpinas e tundra árctica.
Hábitos alimentares: Omnívoro. Come mel, frutas, insectos, pequenos animais e peixes. Raramente caça gamos, alces e outros animais.
Tamanho: Comprimento: 1 m até 2,80 metros.
Peso: de 80 kg até 600 kg.
Período de gestação: Varia de 180 até 266 dias.
Número de crias: 2 ou 3
Tempo médio de vida: 20 a 30 anos.
Estado de conservação da espécie: A espécie encontra-se ameaçada, entre outros factores, pela destruição do seu habitat natural e pela poluição.

urso pardo

publicado por Diana às 15:41
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

Lontra

Nome popular: Lontra
Nome Científico: Lutra lutra
Distribuição geográfica: Vive na Europa, Ásia, porção sul da América do Norte e ao longo de toda a América do Sul, incluindo o Brasil e a Argentina.
Habitat natural: Associada a zonas húmidas, ocorre em águas continentais como rios, ribeiras, pauis, lagoas e albufeiras, em águas salobras como os estuários, mas também nalguns pontos do litoral marinho.
Hábitos alimentares: Possui uma dieta maioritariamente constituída por peixe mas que pode incluir crustáceos, anfíbios, aves e alguns mamíferos consoante a sua disponibilidade e abundância no meio.
Tamanho: Comprimento: 60 cm até 90 cm; mais cauda de 35 a 47 cm.
Peso: 6 kg até 10 kg.
Período de gestação: Cerca de 2 meses.
Número de crias: A ninhada pode ter entre 1 a 5 crias, sendo 2 a 3 o mais usual.
Tempo médio de vida: Vive entre 6 a 8 anos.
Estado de conservação da espécie: Classificada como Vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Entre os vários factores que colocam a espécie em perigo contam-se: a poluição e destruição dos ambientes aquáticos e ripícolas, o uso de pesticidas na agricultura que afecta a qualidade da água dos rios, os atropelamentos e a perseguição directa por parte do Homem devido à concorrência pelo peixe. Há a contar ainda com o facto de a sua pele ter um elevado valor no sector têxtil.

publicado por Diana às 19:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Lince-Ibérico

Nome popular: Lince-Ibérico
Nome Científico: Lynx pardinus
Distribuição geográfica: Portugal e Espanha.
Habitat natural: Tem como habitats preferenciais os bosques e matagais mediterrânicos onde procura abrigo.
Hábitos alimentares: Alimenta-se quase exclusivamente de coelhos-bravos,

no entanto,

a sua dieta pode ser complementada com roedores, aves e crias de cervídeos.
Tamanho: Comprimento: 80 cm até 110 cm; mais cauda de 11 a 13 cm.
Peso: 10 kg até 13 kg.
Período de gestação: Varia entre 63 e 74 dias.
Número de crias: 1 a 4
Tempo médio de vida: Até 13 anos.
Estado de conservação da espécie: O lince-ibérico é actualmente considerado o felino mais ameaçado do mundo e encontra-se classificado como espécie em perigo

de extinção pelos

Livros Vermelhos de Portugal, Espanha e UICN.

Também se encontra protegido pela Convenção de Berna e pela Convenção que regulamenta o Comércio de Espécies

Selvagens, sendo considerado pela Directiva Habitats como uma

espécie prioritária. As principais ameaças à sua sobrevivência

são a acentuada regressão do coelho-bravo e a destruição dos

habitats mediterrânicos.

 

lince Ibérico

 

 

publicado por Diana às 19:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008

Aguia-Real

Nome popular: Águia-real
Nome Científico: Aquila chrysaetos
Distribuição geográfica: A águia-real distribui-se geograficamente por grande parte do Hemisfério Norte. Na Europa encontra-se relativamente bem distribuída. Actualmente, a população europeia estima-se entre os 5000 e os 7200 casais nidificantes. A população nacional encontra-se estimada entre 56 e 63 casais nidificantes, devendo estar a aumentar ligeiramente. A maior parte da população nidifica no Nordeste transmontano e Alto Douro. Os demais casais distribuem-se nas serras da Peneda, Gerês, região do Tejo Internacional, Marão, troço médio do Guadiana e pontualmente noutras áreas.
Habitat natural: Espécie que essencialmente nidifica em habitats rupícolas (rochosos), no entanto, se estes meios escassearem pode construir os seus ninhos em árvores. Na Península Ibérica aproximadamente 90% dos casais constroem os seus ninhos em meios rupícolas. Pode nidificar desde o nível do mar até altitudes superiores aos 2000 metros. Contudo, na Península prefere claramente as áreas montanhosas e com menor pressão humana. Florestas, serras e montanhas da Europa.
Hábitos alimentares: Alimenta-se de mamíferos, aves e répteis de tamanho médio, podendo recorrer de igual modo a animais mortos. Na maior parte das situações, as principais presas consumidas são coelhos, lebres e várias espécies de galiformes. Captura com alguma frequência outras espécies de predadores, como raposas ou genetas. Geralmente, captura as suas presas no solo, caçando preferencialmente em áreas abertas, evitando zonas muito arborizadas. Alimenta-se de sementes e frutas. Em cativeiro, é comum comer amendoim, girassol, milho verde e frutas.
Tamanho: 95 cm de comprimento e até 2m de envergadura (é a maior das águias).
Peso: De 3 kg até 6,125 kg.
Período de gestação: A águia-real é uma espécie monogâmica, que realiza apenas uma postura por ano, sendo normalmente constituída por 2 ovos (por vezes, pode apresentar 1 ou 3 ovos). As aves incubam os ovos durante 43-45 dias. Este trabalho é feito por ambos os elementos do casal, contudo a fêmea permanece mais tempo no ninho. O ninho é constituído por uma pilha de ramos e outro tipo de materiais vegetais.
Número de crias: 1 a 3 ovos.
Tempo médio de vida: Máximo de 32 anos em liberdade; máximo de 46 anos em cativeiro.
Estado de conservação da espécie: Está em vias de extinção porque o homem destruiu o seu habitat e teima em roubar-lhe a sua fonte de alimento: a caça.

 

Águia realÁguia Real

publicado por Diana às 19:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

20081019-183700-Untitled4.jpg picture by historiasdemake

Photobucket

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Photobucket

 

Photobucket

Photobucket

Photobucket